#HumanizaRedes: Humaniza que entra! Episódio >>>13<<<

Áudio deste episódio para download

Neste episódio, Alexandre Costa conversa com Luiz Antônio Izidoro sobre a nova iniciativa humanitária do Governo Federal, o #HumanizaQueEntra!

Músicas do Episódio

Pague-me um café

Quer ajudar o Livre Intercâmbio a continuar ajudando você a pensar sobre política? doe um cafezinho via PayPal para o Alexandre Costa. Qualquer valor ajuda.

Liberdade De Se Drogar Na Teoria E Na Prática – Episódio 010

Áudio deste episódio para download

Libertários defendem o que chamamos de “direito negativo”, ou seja, a liberdade de fazer escolhas que envolvam consequências sobre nosso corpo e nossa propriedade, desde que não iniciemos agressão contra outro indivíduo humano.

A maioria defende a liberação irrestrita de todas as drogas, por exemplo, baseados no Princípio da Não-Agressão, comumente referido como PNA. Este é o princípio radical do respeito à liberdade de uma pessoa sobre o seu corpo e sua propriedade, a liberdade de não ser impedido de fazer uso de seus próprios recursos, desde que não iniciem agressão contra outrem, caso no qual a legítima defesa se aplicaria.

Isso implicaria em que uma pessoa, idealmente, deveria poder comprar e fazer uso livre de qualquer mercadoria, desde que ninguém seja ferido no processo.

Os libertários se identificam com a livre iniciativa e o livre intercâmbio, que reputam não somente como uma condição mais benéfica para a sociedade como um todo, mas como a única condição moralmente correta.

O que às vezes é negligenciado é que a própria liberdade, a capacidade de escolher e tomar decisões é um processo que tem raízes biológicas, históricas e culturais. A questão das drogas é um excelente caso para a exposição deste fato básico: para além de um princípio idealista, a liberdade é (ou implica no uso de) um conjunto de faculdades, profundamente enraizadas no cérebro, e um produto de três níveis diferentes de evolução: filogenético, ontogenético e cultural.

Porque as pessoas se drogam

Todas as sociedades humanas conhecidas encontram meios de alterar o estado ordinário de consciência, aspirando a experiências que os permitam ver a realidade de uma forma diferente da que vemos em nosso estado de vigília.

Drogas são usadas para isso desde tempos imemoriais. Mas não apenas pela ingestão de substâncias psicoativas se atinge essa meta, alterar a consiencia. Várias técnicas de meditação e oração, de todas as culturas, jogam esse papel, em certa medida.

Algumas culturas usam exclusivamente métodos de alteração da consciência que não envolvem o consumo de substâncias. Outras usam uma combinação das duas. O fato é que o “barato” é uma parte intrínseca de todas as culturas conhecidas, quer seja obtido através de exercícios respiratórios, ou pelo consumo de infusões e derivados de extratos vegetais.

Isso acontece porque, em algum momento da evolução, nos

  • Estados alterados de consciência
    Como em rituais religiosos, com ou sem o uso de substâncias psicoativas

    • Alívio da rotina do dia-a-dia
    • Experiências religiosas
    • Favorecimento da criatividade
    • Com uso de substâncias psicoativas
      • Seu corpo, suas regras
      • Estimulação direta dos centros de prazer do cérebro, com um menor custo de resposta que outras alternativas
      • Risco maior de dependência
      • Reforçamento social
      • Danos físicos colaterais
        • Ao cérebro
        • Aos sistemas envolvidos na metabolização do ingrediente psicoativo
    • Sem uso de substâncias psicoativas
      • Reforçamento social
      • Maior custo de resposta
      • Menor risco de danos físicos colaterais

Porque as pessoas se viciam

  • Poucas oportunidades de experimentar prazer sem o uso de substâncias
  • Hipossensibilidade dos centros de prazer no cérebro
  • Reforçamento contínuo
  • Aumento da resistência física

Porque as drogas são proibidas

  • Associação com culturas consideradas “inferiores”
  • Proteção estatal do cidadão
    a.k.a. proteger-nos de nós mesmos
  • Proteção do sistema de saúde pública
    todos pagam pelos erros de alguns: Já foi desculpa para muitos totalitarismos no passado
  • Ameaça à liberdade alheia
    • Enfraquecimento da auto-censura
    • Uso da propriedade alheia
    • Sofrimento dos parentes
  • Efeitos da proibição das drogas
    • Proibir é operação estabelecedora de impulso
    • Os contrabandistas e os batistas
      http://youtu.be/-JcBSVE1wl4
    • A proibição de qualquer coisa pelo estado não impede que ela aconteça.

Na teoria e na prática

  • Liberdade como uma conquista evolutiva
  • Marcos biológicos da liberdade
  • Contribuições da Neuropsicologia
    • Neurobiologia da consciência e do self
    • A individualidade como resultado da evolução
    • O delicado balanço da saúde mental humana
  • Conclusão
    • O paradoxo da liberdade
    • Liberdade como direito negativo
    • Pagando pelos erros certos
    • Assumindo os próprios erros

      Músicas do Episódio

  • Check up por Raul Seixas
  • L.B.J. por Galt MacDermot & Tom Pierson para o filme Hair, ícone da contracultura.